Evolução do Tie Dye na Moda

Moletom tie dye, vestido tie dye, camiseta tie dye...o tie dye chegou com tudo na moda e está invadindo todas as peças do guarda-roupa! Nós amamos esse visual e nesse post vamos contar um pouco da sua história.


Apesar de muita gente achar que o tie dye nasceu com o movimento hippie dos anos 60, vários estudos indicam o uso de técnicas semelhantes muito antes disso.


No século VI, no Japão, as primeiras peças de roupas foram tingidas com as técnicas de shibori, que criam padrões únicos através de reservas, dobraduras, amarras, alinhavos e prensas sobre o tecido. Esses recursos evitam a penetração do corante sobre certas áreas do tecido e, com isso, formam estampas. É exatamente esse o significado da palavra japonesa shibori:  Shi = reserva   Bori = tingimento


Nessa época, os tecidos eram todos de fibras naturais, assim como os materiais tintórios (raízes, folhas, frutos, sementes, líquens e cascas). Uma curiosidade  sobre o processo de tingimento natural é que tecidos de origem vegetal (como algodão, linho e viscose) e tecidos de origem animal (como seda e lã) reagem de formas diferentes aos corantes naturais. 


De lá para cá, muita coisa rolou e as técnicas de tingimento foram difundidas e adaptadas, originando novas propostas como batik, bandhani e tie dye.


Nos anos 60 e 70, o movimento hippie trazia um novo olhar para as relações sociais e ambientais e conquistava cada vez mais jovens. Por valorizar o trabalho artesanal e a individualidade de cada um, o tie dye virou um dos símbolos desse importante movimento e era visto em camisas, camisetas, calças, cangas e diversos outros acessórios. 


Em inglês, tie dye significa amarrar-tingir. As amarrações mais comuns parecem um caracol, mas as possibilidades são infinitas. Ao longo dos anos, a moda revisitou a tendência inúmeras vezes e propôs novas releituras, que serão apresentadas nos próximos posts. 


Na utopiar, resgatamos as técnicas artesanais de tingimento (tie dye e shibori) e as ensinamos a mulheres que estão superando a situação de violência doméstica. Fazemos peças com tingimento natural e também com tingimentos sintéticos sustentáveis certificados OEKO-TEX e com zero desperdício de água. 

Prontinho! Agora as novidades irão até você ;)