Quanto de você cabe em sua vida? – utopiar

Quanto de você cabe em sua vida?

Vivemos em um mundo que nos solicita o tempo todo. Cada vez mais somos bombardeados por ideias e informações que nos fazem enxergar a vida de uma forma específica.

Você já parou para pensar que a vida, da forma como nos é apresentada, pode não fazer sentido para você? Que suas escolhas podem ir além do que lhe é apresentado e solicitado?

Nosso mundo tem cada vez menos lugar para o sofrimento, por exemplo. Precisamos sorrir, precisamos estar felizes, satisfeitos, precisamos ser funcionais, ter um trabalho, uma família. Não há espaço para o vazio, para a dúvida. O espaço é sempre preenchido com tarefas e funções que, supostamente, vão te fazer ser uma pessoa mais feliz e mais funcional.

Acordar as 5 da manhã, tomar um copo de água com limão, ler 20 páginas, meditar, se exercitar, tomar um belo banho para “começar” o dia de trabalho. Trabalhar, comer saudável, ler as notícias, saber onde investir seu dinheiro, saber como motivar seus funcionários, se motivar, praticar mindfullness, fazer pausas de 20 minutos para produzir melhor, beber muita água, pouca cafeína, muito chá, dormir 8 horas por noite e acordar as 5 da manhã.

Não sabemos mais lidar com tempo livre, com vazio, com tédio. Não sabemos mais usar a criatividade e, mais importante de tudo, não sabemos mais nos conectar internamente e discernir o que é nosso e o que é do mundo. Se alguma das “regras” imposta pelo mundo não funciona para nós, nos sentimos inadequados entramos na lógica da constante frustração ao invés de nos aprofundar em nossas experiências, desejos e limites para entender o porquê.

É desafiador e (cada vez mais) necessário conseguir questionar as lógicas impostas pelo nosso mundo atual. Não estou defendendo a ruptura social, de forma alguma. Somos seres sociais e viver em harmonia com a sociedade é importante. Mas é preciso existir dentro da sociedade e não simplesmente fazer parte do rebanho.

Existir, aqui, significa ter uma conexão com você mesma, escutar seus desejos e limites, saber as relações que fazem ou não sentido e as causas pelas quais vale a pena lutar. Nunca esquecendo que o sofrimento faz parte da vida, que o tédio é essencial para a criatividade e que tudo bem não produzir ou ser funcional o tempo todo. Errar é humano e entender que ser diferente não é errar, mais ainda.

 

A Flavia é psicóloga clínica, apaixonada por literatura, música, viagens e novas culturas. Acredita nas conexões profundas, tanto nas relações quanto internas. Sua busca profissional vai para além do consultório - tentando sempre proporcionar novas compreensões através de seus textos e reflexões.  

Prontinho! Agora as novidades irão até você ;)